CÂMARA MUNICIPAL
Câmara aprova projeto que torna facultativa a leitura da Bíblia nas escolas de Boa Vista
Por Folha Web
Em 07/09/2017 às 01:12
Vereador Pastor Jorge é o autor do projeto de lei aprovado na Câmara (Foto: Secom/CMBV)

Por 13 votos favoráveis, um contrário e uma abstenção, a Câmara de Boa Vista aprovou, nesta quarta-feira, 6, em segundo turno, o Projeto de Lei 65/2017, do vereador Pastor Jorge (PSC), que torna facultativa a leitura bíblica nas escolas públicas e privadas da Capital. A proposta segue para a apreciação da prefeita Teresa Surita (PMDB), que poderá sancioná-la ou não para que se torne lei municipal.

O projeto visa “trazer o conhecimento cultural, geográfico, científico e fatos históricos” da Bíblia Sagrada. Conforme a proposta, a leitura será feita todos os dias, no início das aulas.

No primeiro turno, a proposta teve 12 votos favoráveis, um contrário e uma abstenção, com uma emenda de Pastor Jorge, que alterou dois artigos do projeto. Uma das mudanças tornou a leitura facultativa – o texto original previa que ela deveria ser obrigatória. Ao defender o projeto, Pastor Jorge disse que a ideia não é levar a religião para as escolas.

Contrário à proposta, Professor Linoberg (Rede) afirmou que o assunto não compete à Câmara e disse ainda que, mesmo a leitura sendo facultativa, pode gerar a possibilidade de os professores doutrinarem os alunos.

Vários vereadores defenderam o projeto durante a sessão, entre eles o presidente Mauricélio Fernandes (PMDB). “Inicialmente, eu pedi vistas ao projeto, por entender que a obrigatoriedade era inviável. Mas observei que havia uma emenda do senhor Pastor Jorge, facultando a leitura. Meus pais me ensinaram que não devemos ter nenhuma distinção de cor, raça e religião. Que mal faz ler a Bíblia? É algo que é dever da família e do cidadão. E por que não da escola?”, questionou.

Antes de ir ao plenário, o projeto obteve pareceres favoráveis das comissões de Legislação, Justiça e Redação Final, e de Economia, Finanças e Orçamento. Já a Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude emitiu parecer contrário, por entender que a matéria “encontra-se por padecer de vícios insanáveis de constitucionalidade”.

Fernando Bezerra disse: Em 11/09/2017 às 09:50:46

"é facultativo se o estudante quiser tocar tambor para seu orixá na escola? é permitido realizar uma sessão espírita pela turma se for de seu interesse?"

HYHL disse: Em 08/09/2017 às 10:15:48

"ja temos a disciplina de religião nas escolas, no entanto , na maioria das vezes temos que ser levados pela religião do professor, em vez de sermos ensinados sobre o conhecimento nas religiões diversas existentes."

Damiao disse: Em 07/09/2017 às 22:27:42

"Sou contra esse projeto. Porq não fazem um projeto pra quer seja cantado o hino nacional nas escolas? "

ELIEZER disse: Em 07/09/2017 às 14:35:24

"Se nao é competencia da camara? e de quem é vereador? se os vereadores sao representantes da populaçao de boa vista."

jcs mesquita disse: Em 07/09/2017 às 13:19:09

"E significativo porém tem coisas importantes para se preocupar, como na saúde e educação"