MINAS E ENERGIA
Audiência debate aumento de energia elétrica e deputados reivindicam CPI
Os parlamentares querem uma ampla e profunda investigação em todo o sistema elétrico de Roraima dos últimos 10 anos
Por Folha Web
Em 30/11/2017 às 00:58
Deputado Edio Lopes foi quem propôs a audiência pública (Foto: Divulgação)

Representantes do setor de energia elétrica estiveram em audiência pública na Comissão de Minas e Energia da Câmara Federal ontem, 29, para prestar informações sobre o aumento da tarifa de energia elétrica no estado de Roraima.

Em atendimento ao requerimento do deputado federal Edio Lopes (PR/RR), participaram da audiência, além dos deputados de Roraima, o Superintendente de Gestão Tarifária da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Davi Antunes Lima, o diretor de Distribuição da Eletrobras, Luiz Henrique Hamann, e o diretor de Regulação e Projetos Especiais Eletrobras Distribuição Roraima, Claudio Rubens Pinho Nilo.

Os convidados foram questionados, entre outros temas, sobre o preço-teto estipulado em R$ 329 MWh para a aquisição de energia oriunda de termoelétrica, enquanto o MWw de energia das termoelétricas de Roraima ultrapassa a casa dos R$ 900 MWh.

Segundo a Eletrobras, em Roraima são consumidos 190 MWh energia, das quais 60%, ou seja, 150 MWh são supridos pelo Linhão de Guri, da Venezuela, e 40 MWh são de origem termoelétrica. “São números que nos impressionam, mesmo porque, é pouca energia para o tanto de dinheiro que estão gastando. O MWh de energia da Venezuela estaria custando ao câmbio de hoje R$ 125,19 o MWh e o consumidor de Roraima paga algo em torno de R$ 530 o MWh”, comentou Edio Lopes, afirmando que o pior de tudo é tentarem convencer os presentes de que o reajuste feito no último dia 1º de novembro foi “bondoso” com o roraimense. “Como ele mesmo disse, ficou ‘guardado’ um aumento de 18,09%, que se somará ao reajuste a ser dado na data-base de 1º de novembro de 2018”, frisou.

Apesar das apresentações feitas durante a audiência, o deputado e outros parlamentares de Roraima não ficaram satisfeitos com os dados expostos. “Como já era esperado, eles apresentaram números com os quais não podemos concordar. Nós propusemos para os próximos dias uma rodada de negociações para que possamos ver uma redução no reajuste que foi dado em Roraima. A Eletrobras sinalizou concordância e agora estamos no aguardo disto deslanchar”, explicou Edio.

Foi proposta a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para fazer uma ampla e profunda investigação em todo o sistema elétrico de Roraima dos últimos 10 anos, envolvendo a Companhia Energética de Roraima (CERR), Eletrobras Distribuição Roraima, Eletronorte e Governo de Roraima.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!