ALE-RR
Assembleia Legislativa demite 130 servidores comissionados
Por Folha Web
Em 14/09/2017 às 00:57
Procon Assembleia foi um dos setores mais atingidos pelas demissões (Foto: Arquivo/Folha)

Uma semana depois que quatro deputados do grupo de oposição da Assembleia Legislativa mudaram para a base aliada do governo, mais de 130 cargos comissionados foram demitidos, conforme publicação no Diário Oficial, edição 2601, do dia 12 de setembro. Foram 20 páginas somente com decretos de exoneração. Como a média salarial é de R$ 3 a R$ 4 mil, a economia que será feita na Assembleia chega aos R$ 400 mil mensais.

O órgão mais atingido foi o Procon Assembleia, criado e comandado pelo deputado Coronel Gerson Chagas (PRTB), que também perdeu funcionários na Superintendência de Controle e na Vice-Presidência. Indicados dos deputados Jânio Xingu, Joaquim Ruiz e Odilon Filho, alguns inclusive que trabalhavam em seus gabinetes e em comissões, também foram exonerados.

O presidente da Casa, Jalser Renier, já tinha avisado, em entrevista anterior para a imprensa, que “portas e janelas estariam fechadas” para os deputados dissidentes.  Ao serem procurados pela Folha, os parlamentares não quiseram gravar entrevista sobre o assunto. Alguns afirmaram que estão aguardando os ajustes e que o momento é de negociação.

O líder do governo, Brito Bezerra (PP), confirmou a existência do que chamou de “desconforto” causado pelos últimos acontecimentos após quatro deputados migrarem para a base do governo. “Ainda está nessa fase de conversação entre a presidência da Casa e os quatro deputados que agora são aliados do governo. O momento é de aguardar”, afirmou.

O líder do agora G12, deputado George Melo (PSDC), foi conciliador ao falar sobre a situação e afirmou que isso faz parte do processo democrático legislativo.

“Era a primeira vez que o governo não tinha maioria e nós estamos agora vivendo um momento um pouco tenso. Mas eu entendo que esse poder vai continuar independente e vamos continuar votando o que for de interesse da população. As brigas e os debates ocorrem em plenário e poucas vezes viram questão pessoal. Vamos ter maturidade porque estamos aqui representando uma parcela da população e tenho certeza que nada vai atrapalhar o relacionamento dos deputados dentro da Assembleia”, frisou.

Henrique Sérgio Nobre disse: Em 14/09/2017 às 09:32:30

"Ainda levará várias décadas até o nosso parlamento amadurecer e trabalhar realmente em favor do povo. Na realidade, o povo quer é saúde, educação pública de qualidade e segurança. Essas briguinhas dentro do parlamento pouco interessam à população. O que preocupa mesmo é qualidade de vida, coisa que tem andado bem longe da realidade."

Christhian Rodolfo Torres Dominguez disse: Em 14/09/2017 às 08:30:08

"QUANTOS CAPACHOS PARA CADA LADRÃO........DESCULPEM SENHORES DEPUTADOS"