EMPREENDEDORISMO
Apesar da crise, novas empresas do setor alimentício têm surgido em BV
Gostei (0) Não gostei (0)
Crescimento registrado pelo setor foi alavancado principalmente pela procura cada vez maior por alimentos naturais
Por Folha Web
Em 29/06/2016 às 00:50
Diferenciar e inovar são as principais dicas para aqueles que apostam no segmento alimentício (Foto: Rodrigo Sales)

O primeiro semestre de 2016 registrou o surgimento de 65 novas empresas do segmento alimentício em Boa Vista, segundo dados da Junta Comercial do Estado de Roraima (Jucer) entre 1º de janeiro e 24 de junho deste ano. Em Boa Vista, tem crescido a procura por alimentos naturais e a principal orientação do Sebrae para quem pretende abrir um negócio neste setor é inovar sempre.

Entretanto, para aqueles que pensam em abrir um negócio no ramo culinário, além de planejamento, alguns cuidados, como o manuseio e a preparação das refeições, devem ser observados. “É preciso analisar bem essa oportunidade de negócio e se a pessoa realmente vai poder se dedicar na gestão do empreendimento. Outro cuidado, principalmente nessa área de alimento, é a questão da higiene e do manuseio dos alimentos, além de saber diferenciar esse negócio dos outros, fazer com que o cliente entre nessa lanchonete e não na outra”, explicou a analista do Sebrae, Ana Paula Rebelo.

Segundo ela, diferenciar e inovar são as principais dicas para aqueles que apostam no segmento alimentício conseguirem conquistar os clientes e obterem o lucro desejado em períodos de crise. “O empreendedor deve buscar o seu diferencial, seja no sabor da alimentação ou no atendimento ao cliente. Então é importante inovar sempre na apresentação do prato, no sabor, diversificar para que consiga atender e surpreender o cliente”, frisou.

EMPREENDEDORA - A economista Andreia Priscila, também conhecida como Pithila, resolveu utilizar o gosto por cozinhar como uma opção para driblar a crise econômica e faturar uma renda extra. “Eu sempre gostei muito de cozinhar, fazendo de tudo, tanto alimentos fitness e lights como alimentos tradicionais, entre bolos, tortas, salgados e doces. E aqui em Boa Vista o público é muito diversificado. As pessoas hoje em dia estão optando muito por alimentos naturais, e eu trabalho com kits lights, incluindo tortas e bolo funcional. Os clientes têm gostado muito”, disse a empreendedora.

Para que os efeitos do atual cenário econômico não atrapalhem a produção dos alimentos e a gestão do negócio, algumas alternativas foram adotadas por Pithila, como a fabricação dos alimentos em sua residência, deixando o seu prédio comercial e o serviço de entrega feito diretamente por ela.

“Não contrato office-boy. Eu tenho só uma ajudante de cozinha e eu mesma faço a entrega, até para ver se os clientes estão realmente satisfeitos. Porque quando se contrata um serviço de entrega, sai até mais caro, pois você paga uma diária de R$ 50,00 ou até R$ 70,00. Como estamos nessa crise, eu economizei dessa maneira”, frisou.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!