Boa Vista Terça-feira, 02 de setembro de 2014
Links e Serviços
Colunas
Serviços
WebMail
 





Compartilhar


    25/02/2012 00h31

CRM pede boicote a seletivo para médicos


   


Foto:  Raynere Ferreira

Até sexta-feira, somente sete candidatos fizeram a
TARSIRA RODRIGUES

Continua o impasse entre Conselho Regional de Medicina em Roraima (CRM) e a  Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) sobre a remuneração de  R$ 4.380,22 por 40 horas de trabalho semanais,  oferecida no seletivo para contratação de médicos, lançado no dia 23 deste mês.   

O presidente do CRM, Wirlande da Luz, disse em entrevista coletiva, na manhã de ontem, na sede da entidade, que a orientação é para que os profissionais não se inscrevam no certame, “pois oferecer um salário deste é desvalorizar a classe médica que estuda pelo menos 10 anos para adquirir uma qualificação que engloba as especialidades da área de medicina”.

O processo seletivo que encerra as inscrições na próxima segunda-feira, 27, oferece 233 vagas, sendo que 197 seriam para atender Boa Vista e 36 para  os 14 municípios do interior.

Ele disse ainda que o posicionamento do CRM em orientar os colegas que não façam a inscrição foi uma decisão que partiu da própria classe. “Nosso posicionamento é em conjunto com o sindicato, bem como os médicos que atuam em Roraima. Não podemos permitir que seja oferecido um salário de R$ 4.380,22 em Roraima, enquanto que a Federação Nacional dos médicos indica a média salarial para 20 horas de trabalho de R$ 9.800,00”, disse.

“Essa preconização é feita pela Fundação Getúlio Vargas [FGV], baseada na necessidade e responsabilidade do serviço desenvolvido pelos médicos em todo o Brasil. Em uma equipe de saúde todos podem errar, menos o médico. Quando ocorrem situações de erros, a primeira notícia traz como gancho o erro médico, ou seja, a responsabilidade maior cai sobre o profissional. Então, não é possível trabalhar com uma responsabilidade dessas por um salário que não condiz. O ideal e legal é que seja feito um concurso público para a contratação de médicos em todas as suas especialidades”, frisou Wirlande.

O presidente do CRM falou ainda sobre o atual regime em que a Coopebras trabalha, pois, segundo ele, nestes moldes a cooperativa não está agindo de acordo como deveria funcionar. Segundo ele, para um cooperado ser demitido precisaria passar pelo crivo de uma assembleia, na qual todos os interessados manifestariam a opinião.

“Esta cooperativa só contrata e demite médico. Assim fica difícil trabalhar nestas condições. Esperamos que o Estado reveja os valores e que possamos chegar a um consenso. Sabemos que no momento não é possível pagar R$  10,000,00, mas poderíamos chegar pelo menos aos R$ 8.000,00 pelas 40 horas de trabalho”, disse.  

INSCRIÇÕES -  Até o fechamento desta matéria, 7 candidatos tinham efetuado a inscrição no seletivo no Palácio Latife Salomão, sede da Secretaria de Administração do Estado, no Centro.   

SESAU – O secretário de Saúde, Leocádio Vasconcelos, reforçou o que foi dito na matéria publicada ontem, pela Folha, de que a remuneração ofertada para os médicos no processo seletivo em andamento está de acordo com a legislação estadual.

Segundo ele, no concurso público realizado em 2007, o salário de um médico que cumpria carga horária semanal de 20 horas era de pouco mais de R$ 2 mil e o de 40 horas semanais de R$ 4.300,00.

Vasconcelos disse ainda que, se não houver inscrições suficientes neste processo seletivo, vai sentar com o Ministério Público de Roraima (MPRR), Ministério Público do Trabalho (MPT), Governo do Estado e Conselho Regional de Medicina para chegar a um consenso, pois ele reafirmou que tudo está sendo feito como manda a lei estadual.   

“Vamos fazer o possível para que a sociedade não fique sem médicos”, afirmou o secretário. Disse ainda que o médico que recebe atualmente R$ 10 mil ao mês é o que optou pelo regime de dedicação exclusiva, ofertado à época, que oferecia uma gratificação de R$ 6 mil. Além disso, conforme destacou, quase todos os médicos que atuam no serviço público fazem plantões extras, quando recebem R$ 1 mil por cada um.


Campanha da Fraternidade em Roraima será incrementada com fórum sobre saúde pública

Atenção! Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal


.: Publicidades :.

















 
 
Copyrigth © 2008 - Folha de Boa Vista - Todos os Direitos Reservados