Boa Vista Quarta-feira, 27 de agosto de 2014
Links e Serviços
Colunas
Serviços
WebMail
 





Compartilhar


    22/03/2011 09h32

Prato típico indígena, damurida cai no gosto popular


   


Foto:  Foto: Jorge Macedo

Damurida é um prato feito pelos indígena a base de


NEIDIANA OLIVEIRA
neidiana@folhabv.com.br


A comida típica marca a cultura dos povos. Aqui, no Estado, a tradicional damurida, que tem como principais ingredientes o peixe e a pimenta, representa a história do povo indígena na região.


Antes restrita aos indígenas e regionalistas, esse prato típico deixou de ser uma curiosidade de turistas para se tornar um alimento servido em família ou encontro de amigos. O cantor regionalista, por exemplo, serve a damurida em seus shows como uma marca registrada de sua apresentação.


Devido à proximidade de várias regiões em Roraima, algumas pessoas acrescentam os temperos típicos do prato. Para os representantes indígenas, essa mudança provoca a descaracterização da identidade dos índios. Para outros, apenas enriquece.


A secretária do Departamento de Desenvolvimento Social Indígena (DDSI), Quênia Mota, disse que a priorização da cultura é essencial e que a mudança nos temperos é uma forma de alterar a tradição. “Aos poucos estão esquecendo os costumes, mas isso se dá devido ao acesso à civilização”, declarou.


Quênia explicou como surgiu o prato típico. Antigamente os indígenas pegavam a carne de caça ou peixe “moquinhavam”, que na língua indígena significa assar. Essa carne passava vários dias estocada e gradativamente ia sendo preparada conforme a necessidade de se alimentar.

“Eles pegavam a carne assada e cozinhavam junto com o tucupi, sal, pimenta e a folha da pimenta. Daí nasceu a famosa damurida, tradicionalmente preparada na panela de barro”, esclareceu.


O prato representa a identidade do povo indígena, mesmo sendo preparado de diversas maneiras, conforme explicou o coordenador do Conselho Indígena de Roraima (CIR), Mário Nicácio, lembrando que cada comunidade indígena possui seu jeito particular de preparar o prato.


“Não tem um jeito certo ou determinado de fazer a damurida. O wapichana tem o seu modo de preparo, o macuxi tem outro e assim por diante. O que deve ser mantido é o tradicionalismo do nome, o sabor intenso da pimenta e a história de um povo”, comentou Nicácio.


O cantor e compositor Neuber Uchoa afirmou ser um apreciador do prato e que nos finais de semana em sua casa, no lugar da feijoada, eles oferecem aos amigos a damurida.


“É a verdadeira comida de índio, pois se fundamenta na caldeirada e no cozidão, sendo estes os principais pratos da região Norte. O sabor apimentado faz a diferença, mas acredito que cada um deve adequar os ingredientes conforme o gosto”, destacou o cantor.


Neuber acrescentou que a retirada ou acréscimo de temperos na comida é apenas uma adequação aos mais variados gostos. “Roraima possui um pouco de cada Estado. Aqui tem gaúcho, nordestino, paraense e outros, formando um povo heterogêneo. Então cabe a cada um adaptar o prato de acordo com a sua região”, disse.


Apesar de ser constituído por temperos habituais, a damurida é preparada somente pelos indígenas e pelos apreciadores da comida, os quais conhecem a simplicidade de fazer um prato especial à base de muita pimenta.


“Quem nunca experimentou precisa tomar cuidado para não se queimar, já que o que se trata de uma comida tão quente quanto o clima de Roraima”, revelou Neuber Uchoa.

O cantor comentou que foi por meio do grupo Roraimeira que a comida foi mencionada pela primeira vez no Estado. “Há 27 anos citamos em nossas canções a damurida, que passou de uma simples alimentação a prato popular”, frisou.

Hoje essa comida típica está entre as mais requisitadas entre os turistas que, apesar dos temperos regionais, agrada os mais variados gostos. Em alguns shows regionais o prato também é servido ao público.

 

Saiba como preparar a damurida


Ingredientes:


- Peixe ou carne assada na brasa;
- Folha de pimenta malagueta;
- Pimenta jiquitaia (pimenta ardosa);
- Goma de tapioca;
- Sal a gosto.


Modo de preparo:


Cozinhe o peixe/carne previamente assado com as folhas da pimenta malagueta, a pimenta jiquitaia em abundância e o sal. Para engrossar o caldo, utilize um pouco de goma de tapioca. Cozinhe até a carne/peixe ficar bem mole.
O prato pode ser servido com pirão de farinha de tapioca e/ou arroz branco. Os índios costumam a comer com beiju (massa assada feita de farinha).


 

Atenção! Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal


.: Publicidades :.

















 
 
Copyrigth © 2008 - Folha de Boa Vista - Todos os Direitos Reservados