Por Jessé Souza
Em 03/03/2018

Velho/novo golpe

Depois que o Banco de Roraima (Banroraima) faliu, quando Roraima ainda era Território Federal, antes da Constituição Federal de 1988, submetido às ordens de Brasília e tendo que engolir os governadores "biônicos", os funcionários do banco foram jogados aos leões, passando da incerteza, submetidos às manipulações de cada época, até chegar aos dias atuais, ouvindo seguidas promessas de que todos seriam enquadrados na União.

São três décadas ouvindo promessas das mais persuasivas de cada época eleitoral. Um detalhe: e não foram apenas os ex-funcionários do Banroraima submetidos ao mesmo mantra de que seriam "enquadrados na União". Ex-servidores de todos os órgãos e níveis vieram sendo manipulados durante três décadas. Três décadas!

Estamos em mais uma sequência de promessas – das mesmas promessas jamais cumpridas. Desta vez, um ano eleitoral atípico, em que há vários fatores que terão de ser considerados; e ainda será um momento de muito acirramento por todos os lados, de direita e de esquerda.

Porém, diante desta realidade, o que não muda é a promessa de enquadramento, incluindo os ex-funcionários do Banroraima. Então, as promessas se renovam, desta vez travestidas em aprovações que ainda não garantem nada, apenas uma esperança de que tudo pode acontecer, inclusive a não aprovação congressual. E as pessoas seguem incautas, crendo nas promessas nunca cumpridas.

O que chama muita atenção é que os atores que pregam as mesmas enganações estão agindo sem cessar, como se tudo fosse sempre algo real e atingível, principalmente agora, quando inicia-se mais um ano eleitoral. Assim como mulher de bandido, todos passam a renovar a confiança nos mesmos bandidos do passado.

Tudo se desenha para mais uma enganação com os ex-servidores do Banroraima, inclusive com gente fendendo a unhas e dentes as mentiras e os mantras repetidos há três décadas para ocultar o que pode realmente acontecer: o não enquadramento. Significa que mudam as facetas, mas não mudam as mesmas enganações do passado.

O fato é que todos esperam o enquadramento. Porém, ninguém pode mais se condicionar a uma nova promessa de ano eleitoral, como todos vêm sendo enganados há 30 anos. Promessa de enquadramento não transforma ninguém em cabo eleitoral antecipado. Ou o povo cobra uma decisão final agora, já, ou não pode mais cair em mais um golpe. Cabo eleitoral é mais um enganador. E ninguém pode cair em um novo/velho golpe.

*Jornalista
E-mail: jesseroraima@hotmail.com
Acesse: www.roraimadefato.com.br

Jessé Souza
jesse@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Jessé Souza
+ Ler mais artigos de Jessé Souza