Por Parabólica
Em 26/01/2018

Bom dia,

O mundo político local ainda discutia a confirmação da condenação de Lula da Silva pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF), da 4ª Região, quando, ontem, veio uma notícia que dominou as discussões políticas em Boa Vista: a confirmação de que o vice-governador do estado, Paulo César Quartiero (sem partido) renunciara ao cargo, através de uma carta protocolada na Assembleia Legislativa do Estado (ALE). De fato, lá pelo meio da tarde a Parabólica recebeu uma cópia da carta-renúncia, e outra correspondência também do vice-governador endereçada à ALE, na qual Quartiero pede à Mesa Diretora, que seja convocada uma sessão extraordinária para hoje, quando ele deve fazer um pronunciamento explicando as razões de sua decisão.

O presidente da ALE, deputado estadual Jalser Renier (SD), que chegou na terça-feira à noite, de uma viagem para Brasília, convocou uma reunião com alguns de seus pares ao fim da qual ficou decidido atender o pedido de Quartiero, e ali mesmo, convocou a Sessão Extraordinária para as 10h da manhã de hoje. Assim, as coisas estarão agitadas na ALE desde cedo, esperando as revelações do vice-governador sobre os motivos que o levaram a renunciar ao mandato.

Não é de hoje que nos bastidores da política local, especialmente nos corredores e gabinetes da Assembleia Legislativa, são ouvidas informações da existência de movimentos para convencer Paulo César Quartiero a renunciar, abrindo a vaga de substituo eventual da governadora Suely Campos (PP) para ser ocupada pelo presidente do Poder Legislativo estadual. Com o mandato de atual governadora caminhando para o fim, essa história da renúncia de Quartiero restara esquecida. Daí a surpresa pelo anúncio dela feito ontem, faltando apenas 11 meses para o fim do governo, e pouco mais de nove meses para as eleições.

Evidente que à proporção que a notícia de renúncia caía no domínio público, os burburinhos tomavam conta do mundo político local. A mais forte das versões que corriam às escâncaras dava conta que a renúncia do vice-governador era apenas o primeiro ato de uma novela que está apenas começando. O segundo ato seria, no curto prazo, a aceitação pelo presidente da ALE de um pedido de impeachment contra a governadora, o que ensejaria em médio prazo, seu afastamento do cargo. Evidentemente, depois do devido processo legal, o que pode levar algum tempo – não menos que quatro meses –, segundo um advogado ouvido pela Parabólica.

Se todo o plano der certo, e resultar no afastamento da governadora, os deputados estaduais realizarão eleições indiretas para a escolha do sucessor, e neste caso o nome do presidente da ALE, Jalser Renier, surge como o mais forte candidato, pela inegável liderança que ele exerce sobre seus pares. Fontes da Parabólica dizem que pelo menos 16 dos 24 deputados estaduais estão sempre alinhados com ele, e não estariam dispostos a sair do manto protetor de seu líder. Efetivado no cargo, Jalser poderá disputar a reeleição instalado no Palácio Senador Hélio Campos. Simples assim.

CENÁRIO
É claro, embora seja possível não é fácil aplicar impeachment a uma governadora, por mais fortes que sejam os argumentos. De qualquer forma, se de fato, a renúncia de Quartiero foi um primeiro passo para tirar Suely Campos do Palácio Senador Hélio Campos. O cenário sob o qual será disputado o governo estadual na próxima eleição restará bastante modificado. Impedida, a governadora não poderá disputar eleições pelos próximos oito anos e sairá do páreo. Por outro lado, a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), que parece já estar em campanha será igualmente carta fora do baralho sucessório, por conta dos compromissos de seu mentor e parceiro político, Romero Jucá (PMDB), com o deputado Jalser Renier. É possível que Teresa aceite apoiar Renier em troca de receber dele, a promessa de apoiá-la nas eleições de 2022, mesmo que tenha que amargar dois anos de ostracismo político quando deixar a PMBV.

FACEIRO
Quem andava lépido e faceiro pelos gabinetes da Assembleia Legislativa, ontem, no burburinho provocado pelo anúncio da renúncia de Quartiero era o notório senador Romero Jucá. O presidente da ALE, Jalser Renier, chegou a ausentar-se de uma reunião com os deputados estaduais para atendê-lo no gabinete da presidência. Fontes da Parabólica garantem que ele está mais ativo do que nunca nas articulações que levaram à renúncia do vice-governador. Seus correligionários dizem que, se der certo tudo aquilo que está sendo planejado, Jucá estará afastando o fantasma da derrota nas eleições que se avizinham.

TIROTEIO
Toda vez que se planeja uma estratégia, não custa lembrar o velho Mané Garrincha, que ao ouvir Vicente Feola, o técnico da seleção brasileira de 1958, falar da tática para vencer a seleção soviética, perguntou candidamente: “O senhor já consultou os russos sobre isso?”. Pois bem, essa nova crise que pode ser instaurada entre a governadora e a Assembleia Legislativa já começou com munição de grosso calibre. Ontem mesmo, a Parabólica recebeu uma mensagem, via WhatsApp, com a informação de que nesses três anos de governo Suely Campos, o vice-governador Paulo César Quartiero recebeu de salários R$ 1.111.111,10 (um milhão, cento e onze mil, cento e onze reais e dez centavos). Será?

DE QUEM?
Só para terminar: de quem é o jatinho que é o preferido para viagens de muitos políticos locais? Em outras palavras, é preciso indagar de onde saiu a grana para pagá-lo? Com a palavra a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica