Por Parabólica
Em 24/10/2017

Bom dia,

Os franceses são conhecidos pela arrogância com que tratam os povos da periferia, que idiotamente lhes rendem homenagem, e tentam lhes copiar valores e doutrinas, como por exemplo, o ambientalismo. Eles se julgam culturalmente superiores, e consideram Paris, a capital mundial da cultura e do humanismo, insuperável em charme e beleza. E muitos macaquitos dizem não querer morrer sem conhecê-la. Tudo bem, cada um com seu complexo de cachorro vira-lata. Só para lembrar o grande Nelson Rodrigues.

Pois bem, o jornal francês Le Monde, de quinta-feira (19), da semana passada, fez uma extensa reportagem sobre a migração de venezuelanos para Roraima, especialmente para Boa Vista, que eles dizem ser uma “cidade sem charme cercada por reservas indígenas”.

O texto conta a história dos migrantes que fogem da Venezuela para Roraima, e que são obrigados a aceitar trabalhos precários ou se prostituir. A reportagem conta que Boa Vista sentiu o fluxo de imigrantes venezuelanos em meados de 2016. “Eles deixaram seu país de origem fugindo do governo autoritário do presidente Nicolás Maduro, da crise econômica e da inflação galopante. Cerca de 70 mil teriam cruzado a fronteira desde 2015, dos quais 50 mil apenas em 2017”, diz o correspondente do Le Monde no Brasil. Fala também da baixa remuneração que é paga tanto a trabalhadores quanto a prostitutas, que chega a ser a metade daquela que é paga às brasileiras.

A matéria não traz qualquer novidade, mas agora o assunto que é cada dia mais grave entre nós começa a chegar ao chamado mundo desenvolvido. Isso é bem capaz de motivar agora o governo federal a começar a prestar mais atenção ao que esta migração está provocando entre nós.

FELIZES
Apesar do francês Le Monde dizer que Boa Vista é uma cidade sem charme e cercada de terras indígenas, pesquisa socioeconômica feita pelo Instituto Unama, cuja publicação é exclusiva da Folha, mostra que os boa-vistenses estão muito felizes (31%) e felizes (54%) por morarem na nossa capital. Isso é uma demonstração de que 85% dos boa-vistenses querem continuar a morar aqui. Com certeza, os jovens parisienses, sobretudo os filhos de imigrantes acossados pelo alto desemprego, não estão nada satisfeitos com a toda charmosa Paris. Por isso, vez por outra, matam franceses em atentados terroristas. Para a tristeza de muitos correspondentes brasileiros, que aparentam sofrer muito mais com as mazelas de fora, do que com o sofrimento de seus compatriotas tupiniquins.

COTA
O deputado estadual Mecias de Jesus (PRB) solicitou retificação do edital de vestibular publicado pela Universidade Estadual de Roraima (UERR) em 16.10.17, para seleção da primeira turma do curso de Medicina daquela instituição de ensino superior. O parlamentar quer que seja respeitado o Projeto de Lei Estadual, aprovado pela Assembleia Legislativa, em 18.10.17, de autoria do deputado estadual Joaquim Ruiz (PODEMOS) que reserva 40% das vagas para estudantes que concluíram o ensino médio em Boa Vista; 40% para concluintes em municípios do interior roraimense; e apenas 20% para livre concorrência. O Projeto de Lei ainda aguarda a sanção da governadora Suely Campos (PP).

CURVOU-SE?
O Governo do Estado parece ter se curvado à decisão da Justiça de Primeira Instância, a pedido da representação do Ministério Público Federal em Roraima, que praticamente paralisou os trabalhos de finalização do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE). Pelo menos é o que se depreende da leitura do Diário Oficial do Estado (DOE), de 17.10.17, que publica Portaria da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento (SEPLAN) autorizando o deslocamento do servidor Márcio Glayton Araújo Granjeiro, coordenador Especial do Grupo Técnico do Zoneamento Econômico-Ecológico, com destino à Terra São Marcos (comunidade Campo Alegre), no município de Boa Vista, no período de 20 a 21/10/2017; à comunidade indígena Roça, no município de Pacaraima, no período de 29 a 30/10/2017, para consulta pública sobre o instrumento do ZEE-RR junto àqueles povos indígenas.

ESCOLA
O Promotor de Justiça Substituto da Comarca de Rorainópolis, no sul do estado, Paulo André de Campos Trindade, mandou instaurar um Procedimento Preparatório (PP) tendo como objeto apurar possíveis irregularidades relacionadas à falta de escolas para atenderem alunos que pretendem cursar as séries seguintes ao 6º ano do ensino fundamental, da modalidade regular, na Comunidade de Baixo Rio Branco, naquele município. Como se sabe, os municípios brasileiros são obrigados a ofertar todas as vagas demandadas pela população no nível do ensino fundamental. O grande problema é que o financiamento repassado aos municípios pelo FUNDEB, para novos alunos, só chega com um ano de atraso.

VEÍCULOS
O mesmo promotor substituto de Justiça, da Comarca de Rorainópolis, instaurou outro Procedimento Preparatório tendo como objeto apurar possíveis irregularidades praticadas em procedimento licitatório realizado pela Prefeitura Municipal de Rorainópolis, concernente à locação de veículos. Como seria bom se outros promotores de Justiça do Estado decidissem seguir o exemplo do colega e mandarem investigar tudo o que se passa nos processos de contratação de aluguel de veículos em muitas outras instituições públicas do estado, em todos os níveis. Teria gente correndo da sala para a cozinha.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Manuel disse: Em 24/10/2017 às 10:43:57

"É impressionante como se brincam com a tecnologia... o que se procura num exame seletivo é a competência e conhecimentos específicos.... Fiquem dando cotas ai depois vá todos que puderem fazer tratamento fora do estado por falta de competência de nossos profissionais. Vestibular e concurso é para medir capacidade e competência... Quer melhorar invistam na qualidade de ensino logo na base."

Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica