Por Parabólica
Em 19/12/2017

Bom dia,

Os dados revelados pela Secretaria estadual de Planejamento e Desenvolvimento (SEPLAN), embora preliminares e que devem ser lidos com a necessária cautela, são indicadores do que pode ser modificado em Roraima a partir de um projeto econômico bem sucedido. Impulsionado pelo início do plantio de soja, milho e outras culturas frutíferas o Produto Interno Bruto (PIB), per capta do município de Bonfim superou o da Capital, Boa Vista, relativamente ao ano de 2015. Os números divulgados pela SEPLAN indicam que para aquele ano o PIB per capta do Bonfim foi de R$ 28.548,82 contra o mesmo valor para o município de Boa Vista que chegou a R$ 23.570,22.

É claro, esses números devem ser olhados com o necessário cuidado, afinal, trata-se de um cálculo médio por habitante, o que não revela quem de fato foi o beneficiário dessa produção. Por outro lado, como mostram os números, o crescimento na produção de riquezas no município de Bonfim deu-se especialmente por conta do desempenho do setor agrícola, que como todos sabemos, pode flutuar muito de uma safra para outra. Mas, é um início alentador que se for sustentado por outras políticas públicas, pode gerar benefícios em cadeia, como por exemplo, a cobrança de impostos no próprio município, pode transformar o Bonfim, de fato, no primeiro polo de produção agrícola de Roraima.

De mais a mais, estes números sinalizam a capacidade da produção econômica em mudar a realidade do estado, que não aguenta mais viver da economia do contracheque chapa branca. É preciso, no entanto, que a agricultura seja realmente uma prioridade – uma política pública de fato –, para o governo estadual e dos municípios, e que isso se reflita na composição dos orçamentos públicos, o que atualmente está longe de acontecer. É preciso, igualmente, que a questão da infraestrutura física saia do discurso demagógico e vire também prioridade de governo.

CANDIDATO
O ex-governador José de Anchieta Júnior (PSDB) visitou, ontem, a redação da Folha. Veio trazer, pessoalmente, cópia da decisão do ministro Luiz Fux, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que lhe restaura a condição de elegibilidade, antes tirada por decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RR), sob acusação de abuso de poder econômico, cometido nas eleições de 2010. Fux disse não ter ficado provada a prática criminosa. “Agora posso efetivamente dizer que sou pré-candidato ao Governo do Estado em 2018. Meus adversários não poderão continuar a espalhar a notícia de que sou inelegível”, disse, entusiasmado, o ex-governador.

SOLTANDO
E o Supremo Tribunal Federal (STF) continua soltando presos acusados e condenados em Primeira Instância por envolvimento nas bandalheiras praticadas para roubar dinheiro público. Ontem, a Segunda Turma do STF, a que pertence Gilmar Mendes, mandou soltar cerca de quatro parlamentares e mandou para casa a mulher do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), Adriana Ancelmo. Cada decisão da Suprema Corte dessa natureza é um balde de água fria jogado na esperança de que um dia possamos ter um país melhor.

CALOU
Aliás, quando o ministro do STF, Edson Fachin, assumiu a relatoria dos casos da Lava Jato que envolvia boa parte dos canalhas com mandado parlamentar, depois da morte do ex-ministro Teori Zavascki, muita gente alimentou a esperança de que as investigações seguiriam em frente. Infelizmente, as esperanças estão se esvaindo, afinal, faz muitos meses que Fachin não dá nenhum despacho, e não divulga qualquer iniciativa para mandar seguir as investigações. Enquanto isso, os canalhas caminham para impunidade, inclusive, por prescrição da capacidade punitiva do Estado. Não é bom esquecer que o notório senador Romero Jucá (PMDB) disse, naquela gravação do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que o único ministro inacessível no STF era, por mera coincidência, o ministro Teori Zavascki, que se foi.

ESTRANHA
É, decididamente, estranha essa história envolvendo a cantora Roberta Miranda, que foi contratada pela Companhia de Desenvolvimento de Roraima (CODESAIMA) para fazer um show na Serra Grande, cidadezinha do município de Cantá, e que lá não chegou. A Parabólica não deseja se aprofundar no imbróglio, afinal, existem coisas mais importantes para tratar, mas, a enorme repercussão nas redes sociais não pode ser ignorada. O certo é que tudo precisa ser investigado com muita seriedade, para que se afaste essa ideia de um boicote por motivação política. Seria um prenúncio muito preocupante quanto ao clima que vai existir nas eleições de 2018.

BIOMETRIZADO
Por falar nas eleições do próximo ano, a presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Roraima, desembargadora Tânia Vasconcelos, concederá entrevista coletiva hoje, 19, às 10h30, antes de iniciar a última sessão de julgamento desse ano, no auditório do TRE. Ela falará, dentre outros assuntos, da conclusão do Recadastramento Biométrico em Roraima, que foi completamente biometrizado; do E-título; e das Eleições Gerais 2018.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica