Por Parabólica
Em 19/02/2018

Bom dia,

Estamos iniciando mais uma semana onde a perspectiva é de que sejam ainda mais agravados os problemas trazidos pelos migrantes venezuelanos para Roraima. São milhares de pessoas empobrecidas que vagam pelas ruas e logradouros públicos, especialmente de Boa Vista, sem a menor esperança de uma vida melhor. A única notícia boa trazida pela presença dos venezuelanos aqui é um aparente sentimento de solidariedade dos boa-vistenses em tentar minorar as péssimas condições dessa gente miserável. São muitas as pessoas doando alguma coisa, especialmente roupas e alimentos, diariamente nas ruas e praças da cidade.

Do Governo Federal, de onde se espera vir uma solução mais concreta, até agora só notícias de formação de equipes para iniciar o atendimento, que o próprio governo chama de emergencial. O perigo é que as atenções do Palácio do Planalto estão voltadas para a intervenção nas forças de segurança do Estado do Rio de Janeiro. Elas dão mais destaque na imprensa nacional e internacional.

AINDA NÃO
Dá para acreditar que o presidente Michel Temer (PMDB) estava possuído de boa-fé, quando esteve em Roraima na segunda-feira passada? Pois bem, hoje faz uma semana que ele prometeu que mandaria seu ministro Elizeu Padilha (PMDB) destravar o pedido feito junto ao Conselho de Defesa Nacional (CDN) para que seja concedida a tal da Anuência Prévia que permitira ao Instituto de Terras e Colonização de Roraima (Iteraima) começar a expedir milhares de Títulos Definitivos, especialmente a pequenos proprietários de lotes rurais. E isso não precisa de expedição de Medidas Provisórias (MP), e nem de gasto de dinheiro público.

REFORÇO
E as forças armadas da República Cooperativista da Guyana também vão reforçar a presença na fronteira com a República Bolivariana da Venezuela. O motivo para tanto é que informações do serviço de inteligência dão conta que venezuelanos famintos e depauperados estão trocando armas por comidas e outros itens de primeira necessidade com os guianenses. O perigo de aumento da violência na Guiana é por tanto iminente. O governo desastroso de Nicolás Maduro está, sem dúvida, trazendo enormes problemas para seus três vizinhos latino-americanos.

ESTRANHO
É no mínimo estranha a presença de uma empresa contratada pela Prefeitura Municipal de Boa Vista (PMBV) asfaltando ruas, ainda desabitadas, no vizinho Município do Cantá. A reportagem da Folha recebeu uma denúncia, e foi ao local onde presenciou até mesmo a presença de placas oficiais da PMBV, indicando que o asfaltamento era feito com recursos do município boa-vistense. A grande dúvida que ainda restava era saber se a área beneficiada pertencia ao poder público ou a uma imobiliária privada. Em qualquer das hipóteses parece restar uma grave irregularidade.

MILIONÁRIO
Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Urbanitários de Roraima, Roberto Rivelino Benedetti, a Boa Vista Energia S.A, paga para uma empresa proprietária de uma usina termoelétrica local, nada menos que vinte e seis milhões de reais todos os meses, para que não falte energia elétrica quando o fornecimento de Guri é interrompido momentaneamente. Segundo o sindicalista esse valor é pago, independentemente das horas de funcionamento das turbinas daquela termoelétrica. Ainda segundo Roberto Rivelino, o faturamento médio mensal da Boa Vista Energia é de R$ 40 milhões, o que significa que 65% dele estão comprometidos para o pagamento dessa empresa. É estranho, não é?

FANTASIA
A entrevista concedida ontem (domingo), ao programa Agenda da Semana, da Rádio Folha, pelo sindicalista Roberto Rivelino Benedetti foi recheada de esclarecedores detalhes. Quase ninguém sabe, por exemplo, que a tal de Eletrobrás Distribuição Roraima não existe do ponto de vista jurídico. É apenas um nome de fantasia, já que na verdade, do ponto de vista legal, é a Boa Vista Energia S.A., quem substitui a Central Elétrica de Roraima (CERR) como concessionária de energia elétrica para o interior de Roraima. Essa história de Eletrobrás Distribuição Roraima é contada para boi dormir. Está tudo programado para que a Boa Vista Energia seja vendida para um grupo privado no final de abril próximo.

SIMBÓLICO
A Boa Vista Energia S.A. deve ser vendida em leilão a ser promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no Rio de Janeiro no final de abril próximo. O valor mínimo do lance será de ridículos R$ 50 reais para a venda de um patrimônio que chega seguramente a mais de R$ 100 milhões. A questão é a seguinte: se houverem muitas empresas privadas interessadas na compra da estatal o preço subirá milhares de vezes mais. Caso contrário algum grupo vai comprar a concessão e o patrimônio púbico milionário pagando preço de banana. Isso é muito perigoso quando confrontado com a história de práticas de corrupção no setor elétrico federal brasileiro.

SEMPRE VISTO
Aliás, informações trazidas para a Parabólica, por trabalhadores da Boa Vista Energia/Eletrobrás Distribuidora Roraima, dão conta de constantes visitas de um conhecido parlamentar federal aos dirigentes da empresa que está prestes a ser vendida. Na semana que antecedeu ao Carnaval a figura foi vista em reuniões fechadas com a diretoria de empresa. Fazendo o quê? Uma das hipóteses é de que esteja colhendo informações econômico-financeiras da empresa para subsidiar o lance que será oferecido pela compra em abril. Tudo feito à luz do dia, num país onde a corrupção continua correndo à solta, apesar da operação Lava Jato.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica