Por Parabólica
Em 18/12/2017

Bom dia,

Uma afirmativa recorrente que se ouve alhures, diz não existir saída para o desenvolvimento de qualquer país, estado ou região que não através da educação. Atrelada a essa é comum ouvir-se dizer que os governantes deveriam tratar as despesas com educação, não como gastos, mas como investimento. Seja como for, o certo é que apesar desse discurso generalizado, são poucos os governantes brasileiros que dão efetiva prioridade ao setor educacional, seja em nível federal, estadual ou municipal. Uma das razões pelas quais os governantes aplicam pouco em educação é, com certeza, o fato de que o retorno político dessa conduta só vem em longo prazo, especialmente por conta do quase nenhum reconhecimento pelos eleitores.

Um dos raros exemplos de político a dar prioridade para educação com retorno político foi Leonel Brizola, tanto no Rio Grande do Sul, quanto no Rio de Janeiro. Em seus governos, apesar dos equívocos de natureza econômica, de segurança pública e uma errática política social, Brizola foi decisivamente um governante que demonstrou acreditar no poder modificador da população através da educação. A regra, infelizmente, que se vê Brasil afora é a quase inexistência de administradores comprometidos com a educação do povo. A quase totalidade prefere fazer obras suntuosas e de muita visibilidade para um eleitorado que quase sempre não valoriza governantes que dão prioridade à educação.

Por isso, deve ser saudado o anúncio feito pela governadora Suely Campos (PP) dando conta que o governo do estado vai implantar o ensino militarizado em mais 15 unidades do ensino médio nas escolas estaduais a partir de 2018. Nessas escolas, além das matérias exigidas no currículo oficial, os alunos e as alunas estudam sob rigorosa disciplina, com respeito aos professores e aos valores pétreos da Pátria brasileira. São também exigidos comportamento cidadão como, por exemplo, a solidariedade e o respeito para com os colegas. Os resultados alcançados nas quatro escolas estaduais que funcionam sob esse regime de rigorosa disciplina, onde o mérito é condição necessária à promoção dos alunos, são altamente positivos, com grande aprovação por parte dos alunos e das famílias. Tomara que, efetivamente, esse projeto venha a ser prioridade de estado.

ISOLADO 1
Parece que o deputado federal Hiran Gonçalves começa a ficar isolado como presidente do PP em Roraima. Ontem (domingo), o deputado estadual Oleno Matos, que reassume hoje seu mandato na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) confirmou, em entrevista ao Programa Agenda da Semana da Rádio Folha, que falta só marcar o dia para que ele assine a ficha de filiação do PCdoB, que em Roraima é presidido pelo deputado estadual Soldado Sampaio. Matos confirmou que é pré-candidato a deputado federal e reafirmou que vai apoiar a reeleição da governadora Suely Campos.

ISOLADO 2
Fontes da Parabólica também informam que o deputado estadual Brito Bezerra, atualmente ainda no PP, que é líder da governadora Suely Campos na Assembleia Legislativa, já está de mala pronta e fechada para deixar seu atual partido. Ele tem conversado muito com a senadora Ângela Portela, que comanda o PDT em Roraima e parece que esse será o destino partidário de Brito Bezerra. Brito é considerado um dos parlamentares mais fiéis ao grupo político da governadora, e sua saída do PP é mais um indício de que o deputado Hiran Gonçalves caminha para se afastar definitivamente do Palácio Senador Hélio Campos.

SAIRÁ
Um experiente observador das coisas e das cenas na política roraimense diz que a saída de aliados muito próximos da governadora Suely Campos do PP é um indício claro de que ela também deverá abandonar o partido antes de vencer o tempo legal que permite a troca de siglas, se não lhe for dado o controle daquela agremiação partidária no estado. Ninguém sabe dos detalhes da conversa reservada entre Suely Campos e o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, que publicamente garantiu o apoio incondicional do partido à reeleição dela em 2018. É quase certo que se isso não for feito na integralidade, dentro dos próximos três meses a governadora estará filiada a outro partido.

OUTRO PALANQUE
Se continuar no comando do PP, como tudo indica, o deputado federal Hiran Gonçalves já parece ter em mira o palanque do ex-governador Anchieta Júnior (PSDB). Isso parece ter ficado claro depois das declarações de Gonçalves, aqui mesmo na Folha, há algumas semanas. E se as fontes da Parabólica também estiverem certas, tudo indica também que o candidato ao Senado Federal pelo PP será o professor e empresário Haroldo Campos, dono das Faculdades Cathedral, que segundo nossas fontes, é hoje, muito ligado politicamente à prefeita Teresa Surtia (PMDB). Outro partido quase fechado para apoiar o ex-governador Anchieta Júnior é o DEM, do deputado Abel Galinha, que não tem escondido essa predileção em suas conversas.

VAIADO
Aplaudido na sexta-feira (15.12), durante o ato político em que se transformou a inauguração do Teatro Municipal de Boa Vista, por uma plateia composta de gente fisiológica e de classe média, sem qualquer pudor e pejo, diante das notícias diárias da imprensa nacional, o notório senador Romero Jucá (PMDB) foi vaiado e xingado no dia seguinte, sábado (16.12), pelo povão presente na Praça Germano Sampaio, no Bairro Pintolândia, durante evento natalino promovido pela Prefeitura Municipal de Boa Vista. Ao ser chamado ao palco principal para discursar, num ato muito próprio de campanha eleitoral, Jucá foi recebido sob sonora vaia e de gritos de “senador ladrão”.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica