Por Opinião
Em 07/01/2017

Políticos priorizam interesse próprio, não do país - Luiz Carlos Borges da Silveira*

A classe política brasileira passa a certeza que o objetivo que a move é o puro interesse político-eleitoral sem importar-se com o país em si. Os políticos sempre em busca de cargos e de poder, dedicam tempo em conchavos, negociações e arranjos. Puro oportunismo.
 
Comento este detalhe porque recentemente um ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso teve a ousadia de escrever artigo em jornal de circulação nacional para lançar a candidatura do ex-presidente em 2018, algo inoportuno que deixou a impressão de querer se aproveitar da situação, colocando o ex-presidente como uma espécie de salvador da Pátria.
 
A manifestação foi tão despropositada que o próprio FHC divulgou nota afirmando que ‘nunca cogitou, não cogita, nem cogitará’ disso, ou seja, desautorizou o oportunista e bajulador ex-assessor. Agora mesmo temos visto o atual presidente da Câmara Federal (que substituiu Eduardo Cunha) lançar precipitadamente sua candidatura à reeleição. No momento em que o governo tenta levar sua atuação sem ebulições políticas, essa decisão de Rodrigo Maia criou um problema para o governo e deflagrou antecipadamente o processo provocando, claro,  manifestação de grupos contrários que pretendem indicar um candidato.
 
Foi criado clima de disputa no âmbito do Congresso, o que em nada contribui para a estabilidade política. A eleição presidencial de 2018 também está na ordem das especulações de grupos interesseiros. As lideranças tucanas estão em velada disputa interna,  porque os principais nomes – Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra fazem articulações buscando ser o candidato do partido.
 
Por que isso acontece, se qualquer cidadão sabe que o momento é de entendimento político para tirar o país da crise econômica e colocá-lo no bom caminho institucional? Acontece que os políticos ainda não aprenderam que em primeiro lugar está o país, estão os brasileiros que sofrem com os desmandos políticos e administrativos. Acredito, e tenho plena convicção, que a atual geração política está perdida. Portanto é necessário banir as velhas práticas e conceitos. Para isso, é urgente renovar.
 
E como o eleitor pode mudar? Primeiro, ele próprio assumir o direito e dever de votar e renovar; segundo, precisa assumir a decisão de participar da política, pois a omissão nada resolve. O eleitor deve ter plena consciência que a política brasileira somente mudará se as mentes, os políticos e as práticas nefastas forem afastados.
 
Quando o eleitor der esse claro recado, confirmado nas urnas, os políticos haverão de compreender que a prioridade é o trabalho em favor do povo e haverão de entender também que se assim não agirem, serão refugados nas urnas. Porém, reafirmo isso tudo depende de o eleitor usar bem sua poderosa arma democrática: voto!

*Empresário, médico e professor
-----------------------------------

A educação de 2017 já começou em 2016 - Ronaldo Mota*

Somos todos capazes de prever o futuro, mesmo porque assim o fazemos espontaneamente todos os dias. Seja quando planejamos nosso cotidiano, seja quando tentamos programar os próximos passos de nossas vidas. No entanto, rigorosamente, ninguém sabe o futuro. Mesmo assim, todos fazemos, quase que automaticamente, diagnósticos, projeções e previsões.

Particularmente sobre educação, não há sobre o futuro que nos aguarda uma síntese única e nem é possível um resumo consensual. Porém, os acadêmicos da Open University, no Reino Unido, propuseram uma interessante lista de novos termos educacionais, bem como inéditas teorias e práticas, que muito em breve farão parte de nosso cotidiano. Destaco a seguir uma dezena delas, já em curso em 2016, mas que tendem a estar cada vez mais presentes em 2017:

Aprendizagem via mídia social. Aprendemos o tempo todo e em todos os lugares. Fora da escola, ainda que o ensino seja menos formal, a aprendizagem, em alguns aspectos, pode ser melhor e mais rápida. Todos estão familiarizados com exemplos como Facebook ou Twitter, locais naturais de compartilhamento de fatos, ideias e opiniões, ainda que haja o risco inerente de informações imprecisas, incompletas ou parciais. Há experiências em curso, inclusive no Brasil, utilizando, com sucesso, os espaços do Facebook como ambiente central de aprendizagem, inclusive para turmas regulares. O mestre neste caso explora, de forma pioneira, seu papel de facilitador no estímulo ao engajamento, promovendo e organizando as discussões e fazendo a curadoria dos temas e das referências mais adequadas;

Falha produtiva. Trata-se de um método de aprendizagem no qual aos educandos são apresentados problemas complexos para serem resolvidos, mesmo cientes de que provavelmente eles não dispõem ainda de todas as ferramentas. Antes de receberem qualquer instrução, eles exploram, de forma independente, as várias oportunidades de solução e falham, atestando que podemos aprender mesmo quando trilhamos caminhos supostamente errados. Os professores, vencidas as etapas preliminares, apresentam os conceitos mais relevantes e exploram os métodos de solução existentes;

Aprender ensinando. Da mesma forma que os aprendizes aprendem com seus mestres, podem eles assumir o desafio de explicarem uns aos outros o que eles conseguiram aprender até então, ainda que nesta etapa embrionária a aprendizagem seja limitada e parcial. Tais tentativas colaboram na consolidação de conceitos e evidenciam as eventuais deficiências. O método é de relativamente fácil execução, podendo no limite envolver toda a turma, ou mesmo pessoas externas à turma. As tecnologias digitais são ferramentas essenciais na implementação deste método e a área da saúde é onde os resultados, até aqui, aparentam ser mais evidentes;

Design thinking. Esta abordagem procura resolver problemas usando processos usualmente adotados por designers. Significa incluir nos processos etapas como experimentação, criação e modelagem, estimulando que as práticas gerem protótipos progressivos que viabilizem um processo contínuo de redesigning. Ou seja, envolvendo exercícios mentais e sociais, os usuários das soluções propostas contribuem de forma decisiva nas camadas de reanálises e de novas implementações;

Aprendizagem com o coletivo. Contar com um número grande de opiniões e contribuições significa, cada vez mais, agregar valor. O estímulo à participação de amadores interessados ou de especialistas com vínculos eventuais com o projeto pode ser de extrema valia na procura das melhores soluções. Além disso, esporadicamente útil para arrecadar fundos ou obter elementos os mais diversos que gerem ou viabilizem soluções.

Os campos de aplicação variam de identificação e estudos de pássaros à contagem coletiva de estrelas e galáxias. Projetos bem desenhados podem obter escala devida, portanto sucesso, via o envolvimento de comunidades inicialmente externas ao trabalho e que vão gradativamente sendo incorporadas;

Aprendizagem com videogames. Aprender pode ser divertido, interativo e estimulante, especialmente contando com ferramentas e ambientes nos quais os aprendizes se sentem totalmente confortáveis. Os jogos podem ser utilizados tanto na formação inicial como na continuada. Uma empresa que pretenda adotar novas práticas e estratégias pode e deve desenvolver instrumentos próprios e específicos. Quem o faz hoje obtém taxas de sucesso muito acima do esperado, em geral.  Ao contrário de reforçar o isolamento, é plenamente possível, ao longo do processo, adaptar os jogos ao espírito de trabalho em equipe;

Analítica da aprendizagem. Mais conhecida como learning analytics, permite conhecer bem o educando, colhendo dados de seu comportamento e, a partir desta caracterização, desenhar as melhores trilhas educacionais personalizadas.  É possível identificar educandos em faixas de risco de desistência em tempo hábil para corrigir rumos e abordagens. Destaque-se que cada vez mais o próprio educando participa ativamente da análise, dado que um dos objetivos principais da educação permanente ao longo da vida é que o estudante conheça cada vez mais como ele aprende, aumentando sua compreensão acerca dos mecanismos de aprendizagem que lhes são mais eficientes e eficazes;

Aprendizagem do futuro. Aprendizes de hoje, mas com olhos voltados para o futuro. Ou seja, há que se adquirir habilidades e disposições que viabilizem realizar desvios de rumos com flexibilidades inerentes às exigências dos novos tempos. Ao contrário de antigamente, é bastante provável que os profissionais do futuro tenham, ao longo da carreira, atividades e empregos bastante díspares. Uma boa educação para o futuro os prepara para quaisquer desafios em diferentes contextos. Ademais, o estímulo à aprendizagem independente com foco no amanhã também favorece ao educando no sentido de planejar suas perspectivas profissionais de maneira ampla e sem medo excessivo de futuros incertos. Gostemos ou não, a ocorrência de imprevistos deverá ser a marca dos novos tempos;

Translinguagem. Cada vez mais nossos alunos estão aprendendo em idiomas que não são sua primeira língua. A habilidade de fazê-lo sem prejuízo, e sim com ganhos, é central em um mundo progressivamente globalizado. A translinguagem tende a aumentar o nível de profundidade do conhecimento adquirido, seja por ampliar as fontes de acesso, seja por exigir uma ginástica mental que é útil no desenvolvimento de interpretação de textos complexos e no estímulo a pensamentos originais;

Blockchain para aprendizagem. Blockchain é termo usualmente utilizado para designar o registro público de todas as transações realizadas na moeda bitcoin. São formadas em blocos completos, os quais são adicionados cronologicamente aos já existentes e assim crescem indefinidamente. Esta técnica pode ser adotada em educação ao disponibilizarmos os dados dos trabalhos em curso feito pelos estudantes, bem como seus desempenhos, para espaços mais plurais, tornando os disponíveis a um público interessado bem maior. Ainda que acessível amplamente a vários usuários, estes não podem modificá-los. Educandos e pessoas em geral podem angariar créditos por suas atividades intelectuais ao mesmo tempo que podem conferir credibilidade aos trabalhos dos demais. Tudo se passa como se credibilidade e reputação educacional fossem espécies de moedas, podendo ser intercambiadas, bem como questionadas em um processo de construção coletiva e colaborativa.

Educação precisa levar em conta o futuro, expresso nas tendências acima e em tantas outras, e incluir esta preocupação explicitamente em seus processos. É consenso que quanto mais conhecemos sobre o que houve antes, bem como melhor entendemos o que está acontecendo agora, mais aptos estamos para tomarmos decisões sobre o que vem pela frente. E vem muito mais surpresas educacionais neste futuro tão próximo que parece ter começado no mês passado.

*Reitor da Universidade Estácio de Sá
------------------------------------

Descomplique - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“Os homens sempre envelhecem, mas raramente amadurecem”. (Alphonse Daudet)

Há muitos milênios, as mentes abertas vêm tentando nos dizer isso. Mas as mentes fechadas sempre fecham as porteiras, mantendo o gado preso à mesquinhez. E ninguém consegue amadurecer sem que tenha a mente aberta. E abrir a mente é se desvencilhar das limitações impostas pelos ditadores. E estes estão em todas as áreas de atividades, onde existam seguidores. Não abrimos nossas mentes sem conhecimentos. E não vamos adquirir conhecimentos enquanto não formos capazes de pensar. E pelo que vem travando nossos pensamentos, eternidades afora, temos que ser donos de nós mesmos para podermos nos libertar. E, creia, tudo está na liberdade da mente; na simplicidade. No reconhecimento do nosso valor. No acreditar que somos um espírito num corpo e não um corpo com um espírito. Simples pra dedéu.

Ontem assisti a uma entrevista com uma psicóloga renomada, sobre a invenção, “síndrome do ninho vazio”. Confesso, com todo respeito aos psicólogos, que só não desliguei o televisor porque a dona Salete também assistia. Por que os profissionais têm que complicar tanto para explicar o simples? Cortar o “cordão umbilical” que nos liga a nossos filhos adultos quando eles saem de casa, é uma questão de amadurecimento, conhecimento e racionalidade. No início do século passado, Gibran Khalil nos ensinou isso, com o texto que a psicóloga citou em parte, tímida e sutilmente: “Vossos filhos não são vossos filhos. São filhos e filhas da ânsia da vida por si mesma. Eles vêm através de vós, e não de vós. E embora vivam convosco, não vos pertencem. Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos, porque eles têm seus próprios pensamentos”.

Puxa, respeitar isso é uma questão de maturidade e de respeito pelo filho. Confundir o amor que temos por eles, com um cordão umbilical inseparável é, no mínimo, imaturidade. Quando nos preocupamos quando nossos filhos saem de casa é porque não confiamos na educação que lhes demos. E isso é imaturidade. Quando abrimos nossas mentes, as preocupações saem da toca como ratos. Nunca confunda amor com apego.

Dê a seu filho todo o amor, carinho e respeito de que ele necessita para um crescimento e formação moral e cívica adequados à sua segurança na condução de sua própria vida. Assim, você e ele seguirão os caminhos individuais sem separação, ainda que estejam separados. Está na hora de uma educação que nunca nos fora dada. E o importante é que façamos o que temos que fazer, e agora.  Não vamos ficar esperando que as coisas melhorem se nós não melhorarmos. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
jesse@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao