Por Opinião
Em 04/01/2018

Por que o ar-condicionado Inverter é mais econômico? - Felipe Brochier*

Imagine que você tem um carro que ao invés de um acelerador normal tem apenas duas opções de velocidade: 0 ou 100 km/h. Você liga um botão e ele vai até 100 km/h, você desliga o botão e o carro imediatamente se desliga, indo a 0 km/h.

Mas e se você quiser andar a 50 km/h? Bom, aí você teria que ficar ligando e desligando o botão alternadamente para manter esta média de velocidade. É desta forma que funciona um condicionador de ar convencional, ligando e desligando o compressor para ajustar a temperatura que foi selecionada.

Para conseguir fazer sua mágica, o condicionador de ar precisa estabelecer uma diferença de pressão no gás refrigerante entre a unidade interna e externa do Split. Quando ligado em modo frio, o aparelho eleva a pressão da unidade externa para rejeitar o calor na rua, enquanto a pressão da unidade interna é diminuída para absorver o calor do ambiente.

No caso do condicionador de ar convencional, essa diferença de pressão precisa ser restabelecida a cada ciclo liga/desliga do compressor e a energia necessária para restabelecer tal diferença de pressão, portanto, é desperdiçada.

Um condicionador de ar do tipo Inverter consegue variar a velocidade do compressor e, desta forma, manter a diferença de pressão entre a unidade externa e interna. Sem desperdiçar a energia utilizada para restabelecer as pressões. É como se o botão do carro que falei antes fosse substituído pelo que conhecemos como “acelerador”.

Todos os aparelhos são desenvolvidos para a condição padrão de 35 °C de ar externo, mas sabemos que durante a maior parte do ano as temperaturas ficam abaixo disto. A tecnologia Inverter consegue se ajustar melhor às variações de clima justamente por conseguir regular sua velocidade e por isso consegue economizar até 40% de energia ao longo do ano, dependendo das condições de instalação, clima e ajuste de temperatura selecionado pelo usuário.

Mas e se eu usar 23 °C?

Ah, então se eu colocar o aparelho em 23 °C economizo 50% de energia, que somados aos 40% obtidos com a tecnologia Inverter resultam em 90% de economia!? Não, infelizmente não é assim... Mas a tecnologia contribui, sim, para aumentar ainda mais a economia de energia. Imagine um aparelho convencional operando a 17 °C em um cômodo de uma casa e em um cômodo ao lado, exatamente igual, temos um aparelho Inverter, operando a 23 °C. Somando os efeitos, ao longo do ano teríamos uma economia de até 70% comparando um ao outro. É uma bela diferença!

*Engenheiro de sistemas da Midea Carrier


Não à reforma da Previdência! - Flamarion Portela*

É com muita indignação que vejo o presidente Michel Temer (PMDB) e sua organização criminosa (segundo a Procuradoria Geral da República) querer responsabilizar o servidor público pelo rombo da Previdência. Dizem eles que o servidor é uma classe de privilegiados e colocam sobre as costas dos funcionários públicos todas as mazelas existentes no sistema de Previdência. Isso não é verdade, pois são os trabalhadores do setor público que arrecadam bilhões e bilhões para a Previdência e para o Tesouro. São eles que fazem a educação pública em todos os níveis, são eles que atendem nos hospitais e todo o sistema de saúde, são eles que fazem toda a segurança pública, são eles, enfim, que fazem em todos os níveis do setor público o atendimento ao cidadão, com muita dedicação.

Quando à frente do Governo de Roraima, realizei o grande concurso público, o qual tinha como propósito proporcionar a esses servidores a estabilidade, além da oportunidade de escolher os melhores e atender um preceito constitucional. Alcançados esses propósitos, todos puderam planejar melhor suas vidas e de seus familiares, comprar a casa própria (inclusive financiada), adquirir seu veículo (também financiado), bancar a faculdade de seus filhos, etc.

Não posso concordar com uma proposta que penalize a todos, mas, principalmente, as mulheres servidoras. A professora do sistema público, por exemplo, que hoje se aposenta com 55 anos de idade e 25 anos de contribuição (recebe aposento integral), se aprovada a nova reforma, a mesma professora se aposentará com 60 anos (trabalhará mais 5 anos). Já a servidora pública de outras áreas, que hoje se aposenta com 55 anos de idade, passará a se aposentar com 62 anos de idade (trabalhará mais 7 anos) e só se aposentará com salário integral, se contribuir para o sistema previdenciário durante 40 anos. Contribuirá 10 anos a mais. Um absurdo!

Muitos podem pensar que essa reforma cruel não atingirá os servidores estaduais, mas, afetará sim. As unidades federativas terão 180 dias para concluírem suas próprias reformas ou valerá a nacional.

A elevação das idades mínimas, praticamente elimina a esperança de homens e mulheres do campo, que cumprem suas jornadas de trabalho de sol a sol. Uma maldade! Penaliza ainda, os extremamente pobres, que terão que trabalhar por mais tempo e que sofrem com a expectativa de vida muito mais reduzida. Crueldade!

Tudo isso, ancorado num falso argumento: o de que existe um enorme déficit nas contas do sistema da Previdência Social.

É falso, como acaba de comprovar uma comissão parlamentar do Senado Federal. O que ocorre é uma tentativa de inviabilizar a previdência pública em favor da privada, aquela altamente rentável para as instituições bancárias.

Mas, para onde está indo tanto dinheiro desse sistema? Infelizmente, o Governo tem desviado o superávit para cobrir despesas do orçamento fiscal. Dinheiro que deveria ser gasto na proteção social está sendo utilizado para outros fins: pagamento dos juros da dívida, por exemplo.

Essa cruel reforma impõe um duro sacrifício a toda a sociedade, especialmente aos servidores públicos.

Não à reforma da Previdência!

*Ex-governador de Roraima


COM AS PEDRAS DO PRESENTE, CONSTRUIREMOS O FUTURO - Vera Sábio*

Na reta para o final do ano, ouvimos falar muito em esperança, em boas realizações, em sucesso, em perdão e paz. Mas pouco se comenta a respeito do que fizemos durante todo o ano para que as palavras sejam concretizadas.

Não tem como colher o que não foi plantado, pois diante de tamanho caos não é possível terminar o ano como se termina um romance e começar o próximo ano, como quem pega um livro novo para ler, tendo lá a própria história, independente do que fizermos.

Só é possível construir o futuro, usando as pedras do presente.

Assim, o que podemos fazer é polir estas pedras e transformá-las em outras. Dando a elas novo formato, nova cor e novas possibilidades. Porém são aquilo que já possuímos, os nossos pilares do futuro.

Caia na real, não se iluda com enfeites e presentes de fim de ano, visto que nossa verdadeira condição não está tão linda assim, e ao enxergarmos como de fato estamos, podemos adquirir coragem e necessidade de nos transformar em algo melhor.

Que Jesus: "a luz do natal" seja o nosso guia, a nossa inspiração, o nosso modelo. Para que com fé e persistência, sejamos capazes de construir um 2018 mais justo, mais próspero e mais fraterno.

*Psicóloga, palestrante, servidora pública, esposa, mãe e cega
CRP: 20/04509
vera.sabio@tjrr.jus.br


O teatro da vida - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaio. Por isso cante, chore, dance, ria e viva a vida intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.” (Charles Chaplin)

Você dançou, cantou e se divertiu nesse fim de ano. Mas tudo se foi. O importante é que você viva intensamente cada dia do ano que se inicia. Embora não nos ensinem isso, às vezes aprendemos na Universidade do Asfalto.

Cada dia passado é um dia a mais na contagem que, sem sabermos, é regressiva. E quando entendemos isso vivemos com mais intensidade. Então reflita sobre isso e viva intensamente cada minuto de sua vida. Sua felicidade está em você, no que você é, e não no que você pensa que é. Você vive no espaço. Sua vida é uma constante caminhada em torno do Sol, numa permanente viagem. Ninguém tem o poder que você tem sobre você mesmo.

Quando acordar pela manhã sorria. O que passou, passou. Se foi bom valeu como presente, se foi mau valeu como lição. E as lições que aprendemos na vida devem ser vividas para o futuro. E o futuro é amanhã. Ontem já é passado, hoje é presente e amanhã é futuro. Pense nisso e não desperdice tempo com pensamentos que não possam levar você para o mar da felicidade. E este está em você mesmo. Sua felicidade é você quem constrói. Ninguém tem o poder de fazer isso por você.

Viva intensamente achando-se em você mesmo. Mas cuidado com a empáfia. Ela está na mala dos que não sabem viver. A simplicidade é o maior instrumento para a felicidade. E ser simples é ser poderoso. É espraiar alegria no vento ameno e tranquilo da naturalidade. Sua nova jornada em torno do Sol se inicia hoje. É o tempo que você tem para viver mais um ano de sua vida, numa contagem regressiva. É o tempo de que você dispõe para construir seu futuro. Então aproveite cada minuto. Sorria, ria, cante e não tenha medo de parecer fútil. Só você é que pode lhe dizer o que é melhor pra você.

Assuma a responsabilidade sobre sua vida na caminhada da evolução racional. Não se esqueça de que somos todos da mesma origem. E que o que fazemos neste mundo em que vivemos, é o que vai mostrar o que realmente ainda somos, na caminhada do retorno. Aproveite cada minuto do seu dia, hoje, para ser feliz. Busque a importância nas coisas mais simples à sua volta. Porque é na simplicidade que está a felicidade. É na simplicidade que nos encontramos no que realmente somos. Construa sua felicidade. Você é o construtor e o timoneiro do barco do seu futuro. Seja firme no timão e trace seu rumo com racionalidade. Você pode, se achar que pode. O poder está com você e em você. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
jesse@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao