Por Jessé Souza
Em 18/11/2017

Da internacionalização à falência

Não faz muito tempo, quando os políticos queriam desviar a atenção para as incompetências deles, tratavam logo de meter medo na população por meio da questão indígena. Quando não existia internet e as mídias tradicionais eram a única forma de as pessoas se informarem, alimentavam a fantasiosa “invasão da Amazônia” a partir das terras indígenas.

Não se podia falar em demarcação das terras indígenas que logo o povo se alvoraçava, com medo de que os “capacetes azuis” pudessem ocupar a Amazônia e de que os Estados Unidos pudessem invadir Roraima, além de passarem a acreditar no engodo de que os estrangeiros que por aqui aportavam eram agentes da “internacionalização da Amazônia”.

Mal sabia o povo que os lesas-pátrias e latifundiários eram alguns personagens da política e da elite locais, os verdadeiros assaltadores das terras produtivas e dos melhores lotes urbanos da cidade. Hoje tudo está loteado e a grilagem continua na surdina, sem alarde.

Porém, a questão das terras indígenas foi definitivamente resolvida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e não existem mais argumentos para continuar falando de “internacionalização da Amazônia” da maneira que muitos pregavam para meter medo nas pessoas e desviar a atenção dos desmandos e corrupção.

Como isso não funciona mais, os personagens da malversação sempre encontram algo para desviar a atenção, a exemplo dos venezuelanos em Roraima, que cabem muito bem na realidade atual para desviar o foco, justificar as incompetências e ainda lançar o povo contra os estrangeiros, uma vez que já existe no imaginário local um temor a estrangeiros desde a invencionice da “internacionalização da Amazônia”.

E assim vão empurrando os problemas do Estado com a barriga e engabelam a sociedade por meio de sustos alimentados no seio da população, que reage muito bem às investidas das criativas campanhas de terror psicológico. Criou-se uma dependência nas pessoas de sentirem medo para que continuem acreditando nos mesmos políticos.

O Estado está quebrado e os sinais de que pode piorar estão por todos os lados. As contas do governo não fecham e os serviços públicos ofertados à população só pioram. Para desviar a atenção do povo, a migração em massa de venezuelanos logo passou a ser apontada como o principal motivo dos problemas.

É a velha tática de jogar a culpa em alguém. Se as pessoas não tiverem discernimento, daqui a pouco vão começar a acreditar em mais esse engodo. E, agindo desta forma, os verdadeiros destruidores do Estado passarão incólumes mais uma vez...

*Jornalista
jesseroraima@hotmail.com
Acesse: www.roraimadefato.com.br

Jessé Souza
jesse@folhabv.com.br
Davi disse: Em 18/11/2017 às 13:58:35

"Parabéns pelas observações Jessé! Sao verdadeiras e justas ! "