Boa Vista Segunda-feira, 28 de julho de 2014
Ano XXXIV
Edição 5572
Um Jornal Necessário

Página Inicial
EDITORIAS
Cidades
Especiais
Esportes
Opinião
Polícia
Política
Variedades
COLUNAS
Área de Luta
Avivamento
Jessé Souza
Minha Rua Fala
Okiá
Parabólica
Shirley Rodrigues
Comentar   Imprimir
  Enviar por E-mail

Opinião                


Ensinar é uma Especificidade Humana

Data:


Fonte: A A A A

É uma especificidade humana porque coube ao homem a missão de rever-se, refletir sobre a sua prática educativa, portanto, ensinar exige um preparo que traga segurança ao professor, para que o mesmo possa levar o educando a superar suas dificuldades. Parte do professor a conduta que ele mesmo espera ter do seu aluno, ou seja, se é um sujeito ativo que se deseja, é necessário que a conduta do professor enseje essa personalidade ativa. Ser professor também exige comprometimento, pois sempre somos percebidos pelos educandos, e como tal devemos agir de acordo com o que pregamos.

Devemos compreender que a educação é uma forma de intervenção, e por isso, exige por parte do educador, uma conduta cuidadosa onde não se recaia no erro de produzir o que a ideologia dominante impõe como verdade, desmascarando esse discurso.

Freire nos adverte que não podemos aprender sem termos a liberdade de decidir, mesmo com sérias chances de errar. E é nesse contexto que ensinar exige a tomada consciente de decisões. Essa tomada consciente de decisões é para Freire a capacidade de luta e de movimento, de respeito e de coerência, frente ao cunho reprodutor que o ensino pode obter por meio de nossa interferência, atuação educativa.

Tão importante quanto saber falar é saber escutar, pois dessa maneira possibilitamos aos alunos uma forma de expressar suas idéias e opiniões. Por exemplo, dar espaço para a discussão na sala, oportuniza aos alunos descentralizar a figura do professor e o que este propõe como verdade.

E, finalmente, nessa experiência de ser professor, há espaço para expressar a liberdade, a afetividade, pois acima de tudo, somos seres sociais – dependentes do convívio com o outro – e ao passo que caminhamos a favor do desenvolvimento da nossa autonomia e a de nossos alunos, refazemos nossa história ao compartilharmos nosso corpo e alma dentro e fora do espaço que é a sala de aula.

Por Adriana da Luz, Ivanete Alves, Jaina Brito, Jancicleide Ortha, Regina Peixoto, Selly Savona e Valéria Vera, do curso de Pedagogia da UFRR, sob orientação da profª Drª Gilvete de Lima Gabriel, na disciplina Didática II.


.: Publicidades :.






Assinatura Voltar à Página Principal Denúncias Classifolha Fale Conosco Voltar à Página Principal
Copyrigth © 2014 - Folha de Boa Vista - Todos os Direitos Reservados
Voltar à Página Principal Classificados Denúncia Expediente Assinatura Voltar à Página Principal